Preconceito inconsciente: Você acredita em igualdade de gênero? Seu cérebro provavelmente discorda.

Fonte: http://www.gadgette.com/2016/03/29/women-in-tech-history-eniac-and-the-programming-pioneers-that-nobody-knew/

Você já assistiu aquele vídeo sobre racismo feito pelo governo do Paraná recentemente? Se ainda não viu, aqui está a oportunidade! A campanha fala sobre racismo institucionalizado e contribui para que as pessoas possam entender um pouco mais sobre preconceito inconsciente.

O problema presente no vídeo também acontece com mulheres quando o assunto é a discussão sobre igualdade de gênero – as oportunidades e direitos iguais entre homens e mulheres.

O preconceito inconsciente nada mais é do que acreditar que algo pode ser feito por um homem, ao invés de ter uma mulher como protagonista. Por exemplo: um paciente acaba de sair do consultório. Ele diz todo feliz que o diagnóstico foi repassado de forma respeitosa e bem carinhosa. Você não tem qualquer informação se ele está falando de um médicO ou uma médicA, mas o que passa na sua cabeça, é a imagem de uma médicA bastante atenciosa, gentil e delicada.

Ok. Pode ser que você realmente imagine que foi um médicO que atendeu super bem o paciente. Se você acredita nisso, então você faz parte de uma minoria, de acordo com o artigo de Magdalena Zawisza, publicado no World Economic Forum.

Neste artigo, Zawisza traz diversos estudos sobre como as pessoas estão condicionadas a esse tipo de preconceito. Até mesmo em resultados de buscas no Google é possível comprovar a presença do preconceito inconsciente, clique aqui para ver. Este cenário é preocupante, já que o que está em questão é nada mais, nada menos do que o oráculo dos tempos modernos. Por mais que pareça absurdo, esses resultados têm uma explicação: mais de 79% dos profissionais do Google são sexo masculino.

Chegamos ao ponto primordial de reflexão deste artigo: a presença de mulheres na tecnologia e a desmistificação da mulher como um ser maravilhoso.

O efeito WAW – Woman Are Wonderful ocorre de maneira inconsciente, ou seja, por meio de estereótipos da mulher gentil, carinhosa e solidária, como evidencia o exemplo acima. Já o inverso ocorre quando mulheres são encontradas em um universo predominantemente masculino, como a tecnologia. Nestes casos a mulher é vista como uma figura que não poderia ocupar aquele lugar. Isso abrange posições de autoridade e liderança, e, infelizmente, não é um preconceito que parte apenas de homens, mas de algumas mulheres também.

Mas como evitar o preconceito inconsciente ou consciente?

A primeira maneira é a conscientização de que o problema existe e afeta mulheres na vida pessoal e profissional. Outra forma é cuidar para que não julgamentos não sejam feitos. O ideal é sempre pensar se um homem poderia estar no lugar daquela mulher ou vice-versa.

Alternativas como realizar recrutamento anônimo, mentorias, trabalho colaborativo e treinamentos podem ajudar as empresas a contratarem mais mulheres e evitarem este preconceito, segundo Zawisza.

Para a rede Tech Ladies, a igualdade de gênero na área de tecnologia é uma luta diária. Esperamos profundamente que este artigo tenha lhe trazido mais conhecimento e possa lhe ajudar, de alguma a forma, a alavancar o desenvolvimento de profissionais mulheres na tecnologia.

Esse artigo foi escrito baseado no https://www.weforum.org/agenda/2016/12/think-you-believe-in-gender-equality-your-brain-might-disagree/  e percepções da autora em torno do assunto.

Texto voluntariamente revisado por: Antoniele Luciano.


Ana Carolina

2 thoughts on “Preconceito inconsciente: Você acredita em igualdade de gênero? Seu cérebro provavelmente discorda.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *